BANDA TEMPO DE VIDA

Minha foto
Curitiba, Paraná, Brazil
A Banda Tempo de Vida é Interdenominacional e conta com integrantes da 1ª igreja Batista (PIB), Assembléia de Deus e Quadrangular, pois, o que buscamos acima de tudo é levar o Evangelho de Jesus Cristo, é o crescimento do Reino de Deus. A Banda foi formada oficialmente no início do ano de 2009, e atua no cenário da música gospel, com o estilo musical predominante da black music e soul music. O objetivo principal da Tempo de Vida é simples, levar a palavra de Deus cantada aos corações necessitados, e louvar a Deus em todo tempo. A Palavra de Deus diz que há um tempo determinado para todas as coisas na terra, e hoje é para nós um TEMPO DE VIDA. Integrantes do Tempo de Vida: Bateria e Back Vocal (Alexandre Amaral) - Baixo (Fabiano) - Vocal (Fillipe Polak) - Guitarra (Jean Chiquini) - Teclado (Marcelinho) - Back Vocal (Nane) CONTATOS: EMAIL's DA BANDA - bandatempodevida@hotmail.com tempodevidabanda@gmail.com COMUNIDADE NO ORKUT: http://www.orkut.com.br/Main#Community?cmm=91876707 MSN FILLIPE -lipe_polak@hotmail.com TELEFONE: (41)8823-4531

domingo, 25 de julho de 2010

Deus Cuida


“E levantou-se grande temporal de vento, e subiam as ondas por cima do barco, de maneira que já se enchia.
E Jesus estava na popa, dormindo sobre uma almofada, e despertaram-no, dizendo-lhe: Mestre, não se importa que morramos?
E ele, despertando, repreendeu o vento, e disse ao mar: Cala-te, aquieta-te. E o vento se aquietou, e houve grande bonança.” Marcos cap 4: 37-39

Quero compartilhar com você uma experiência que tive do cuidado de Deus, em agosto de 2009 meu pai faleceu e é claro foi muito triste, ele vinha sofrendo com doenças causadas pela diabetes como insuficiência renal e etc... Deus já havia dado a mim a certeza de que isso iria acontecer em algum momento, e apesar de toda dor que senti com o falecimento, eu e minha família nunca entramos em desespero, pois Deus mostrou que supre qualquer necessidade, apesar de todo vazio que uma perda pode causar, Deus é capaz de dar paz e tranqüilidade. É claro que a saudade aperta em alguns momentos e posso até chorar, mas a alegria volta porque Deus é fiel e Ele é Deus de perto e não de longe. Deus quer mostrar a você também que tem total controle de todas as coisas, basta você deixar Ele tomar conta de tudo em sua vida. Deus tem planos para nós e Ele quer fazer algo especial por mim e por você para que possamos experimentar o cuidado Dele pelas nossas vidas.
Ora, àquele que é poderoso para fazer tudo muito mais abundantemente além daquilo que pedimos ou pensamos, segundo o poder que em nós opera, A esse glória na igreja, por Jesus Cristo, em todas as gerações, para todo o sempre. Amém.
Efésios 3:20,21

Alexandre Silva do Amaral
Baterista da Banda Tempo de Vida

quinta-feira, 22 de julho de 2010

A fábula das três árvores


Há muito tempo, conta-se sobre três lindas árvores que viviam em uma montanha. Abaixo da montanha passava um grande rio de águas cristalinas, uma vista esplendorosa. Certo dia as três árvores conversavam entre si sobre os sonhos que cada uma tinha. A primeira árvore disse: “quando eu for cortada, quero ser ornamentada e transformada em uma grande arca para carregar grandes tesouros preciosos”. A segunda árvore disse: “quando eu for cortada eu quero ser transformada em um grande navio para transportar os mais poderosos reis e rainhas do mundo”. E por fim a terceira disse: “eu quero ficar aqui, crescer tanto que o mais distante que se puder ver desta montanha as pessoas possam enxergar-me e assim se lembrar de Deus”.
Chega por fim o dia em que um lenhador, corta as três árvores e as leva. A primeira foi cortada e transformada em uma caixa coberta por feno, colocada dentro de uma estrebaria. A segunda foi transformada em um pequeno barco de pescador. E a terceira foi cortada em duas partes e deixada de lado.
Então as três árvores começaram a se lamentar, dizendo: “para que tudo isso? Olha só no que nos transformamos? Para que sonhar?”.
Foi então que aconteceu algo maravilhoso. A primeira transformada em uma caixa coberta por feno, em uma bela noite serviu de berço para um lindo bebê, e foi então que percebeu que ela carregava o MAIOR tesouro do mundo, e seu sonho se cumpriu. Tempos depois a segunda que era um simples barco de pescador enfrentava uma tempestade no mar, quando um homem que repousava dentro do barco se desperta e ordena que o mar se acalme, foi então que o barquinho percebeu que estava transportando o REI do céu do mar e da terra e por fim seu sonho se realizava. Enfim a terceira algum tempo depois de ter sido deixada de lado, foi levada e suas duas partes pregadas em forma de cruz. Sem entender muito foi carregada por um homem, foi levada a um monte e um homem foi pregado, e morreu nela. Foi então que ela percebeu, que o maior tesouro do mundo, rei dos céus, mar e terra a havia carregado e morrido nela, e que ao olhar para ela no alto daquela monte com certeza absoluta todos se lembrariam de Deus. E seu sonho se cumpriu.

Assim como essas árvores, somos todos nós. O ser humano tem sonhos, planeja sua vida, seus objetivos, e isso é muito importante, mas nós devemos, principalmente, aprender a deixar Deus nos guiar em nossas vidas. Às vezes, as coisas parecem sair do controle, tomando rumos diferentes, e não entendemos os caminhos de Deus, mas Ele tem sempre o melhor caminho traçado para nós.


“Entrega teu caminho ao SENHOR confia NELE, e o mais, ELE fará!”

Fillipe S. Polak
Vocalista da Banda Tempo de Vida

Deus criou o mal?


Um professor ateu desafiou seus alunos com esta pergunta:

- Deus fez tudo que existe?
- Um estudante respondeu corajosamente: - “Sim, fez!”
- Deus fez tudo, mesmo?
- Sim, professor - respondeu o jovem.

O professor replicou:

- Se Deus fez todas as coisas, então Deus fez o mal, pois o mal existe, e considerando-se que nossas ações são um reflexo de nós mesmos, então Deus é mal.

O estudante calou-se diante de tal resposta e o professor, feliz, se vangloriava de haver provado uma vez mais que a Fé era um mito. Outro estudante levantou sua mão e disse:

- Posso lhe fazer uma pergunta, professor?
- Sem dúvida, respondeu-lhe o professor.

O jovem ficou de pé e perguntou:

- Professor, o frio existe?
- Mas que pergunta é essa? Claro que existe, você por acaso nunca sentiu frio?

O rapaz respondeu:

- Na verdade, professor, o frio não existe. Segundo as leis da Física, o que consideramos frio, na realidade é ausência de calor. Todo corpo ou objeto pode ser estudado quando tem ou transmite energia, mas é o calor e não o frio que faz com que tal corpo tenha ou transmita energia. O zero absoluto é a ausência total e absoluta de calor, todos os corpos ficam inertes, incapazes de reagir, mas o frio não existe. Criamos esse termo para descrever como nos sentimos quando nos falta o calor.

- E a escuridão, existe? - continuou o estudante.

O professor respondeu: - Mas é claro que sim.

O estudante respondeu:

- Novamente o senhor se engana, a escuridão tampouco existe. A escuridão é na verdade a ausência de luz. Podemos estudar a luz, mas a escuridão não. O prisma de Newton decompõe a luz branca nas várias cores de que se compõe, com seus diferentes comprimentos de onda. A escuridão não. Um simples raio de luz rasga as trevas e ilumina a superfície que a luz toca. Como se faz para determinar quão escuro está um determinado local do espaço? Apenas com base na quantidade de luz presente nesse local, não é mesmo? Escuridão é um termo que o homem criou para descrever o que acontece quando não há luz presente.

Finalmente, o jovem estudante perguntou ao professor:

- Diga, professor, o mal existe?

Ele respondeu:

- Claro que existe. Como eu disse no início da aula, vemos roubos, crimes e violência diariamente em todas as partes do mundo, essas coisas são o mal.

Então o estudante respondeu:

- O mal não existe, professor, ou ao menos não existe por si só. O mal é simplesmente a ausência de Deus. É, como nos casos anteriores, um termo que o homem criou para descrever essa ausência de Deus. Deus não criou o mal. Não é como a Fé ou o Amor, que existem como existe a Luz e o Calor. O mal resulta de que a humanidade não tenha Deus presente em seus corações. É como o frio que surge quando não há calor, ou a escuridão que acontece quando não há luz.



segunda-feira, 19 de julho de 2010

CINCO PRESENTES DE DEUS PARA NÓS


Resumo da mensagem do Pr. Paschoal Piragine Júnior (PIB)



I João 2: 12-14

Neste texto João já de idade avançada, está preocupado com a igreja, com algumas heresias e com alguns líderes que estavam ensinando algumas coisas que não condiziam com o que o evangelho de Cristo diz.
Essa passagem de João nos mostra quais são os 5 recursos (presentes) que DEUS nos dá para que nos permita viver uma vida cristã;


- Primeiro Presente: Perdão dos pecados. Foi um presente extremamente custoso, pois, JESUS entregou sua vida na cruz por nós, mas ao mesmo tempo esse sacrifício tem um efeito incrível em nossa vida, porque através deste presente, nós temos a oportunidade de viver uma vida de abundância com ELE.


- Segundo Presente: Intimidade com DEUS. Antes do perdão, havia uma barreira que separava o homem de DEUS. Após o sacrifício do perdão, DEUS abriu as portas do Céu, e nos permitiu ter comunhão com ELE. Hoje nós podemos viver não apenas uma religião, mas podemos sentir a presença DELE, ouvir a voz de DEUS.


- Terceiro Presente: Unção do Espírito de DEUS. No Antigo Testamento, 3 personagens eram considerados ungidos do SENHOR, eram eles: o Rei, o Sacerdote e o Profeta. Mas DEUS fez uma promessa no livro de Joel, de que chegaria um momento na história em que todo aquele que invocasse o nome do SENHOR seria salvo, e que ELE derramaria o Espírito Santo sobre toda a carne daqueles que o invocassem como o SENHOR.


- Quarto Presente: Vitória sobre o inimigo. Quando JESUS morreu e ressuscitou, ele venceu, ele derrotou a satanás. Por isso, DEUS deu aos seus discípulos o poder de expulsar os demônios. (Lucas 10: 17-21). DEUS nos deu autoridade, poder e graça para vencer o poder das trevas.


-Quinto Presente: Palavra de DEUS. A Palavra de DEUS é a espada do Espírito, e esta é uma arma poderosa, tanto de defesa quanto de ataque. Através da Palavra de DEUS, nós descobrimos o que o Senhor fez por nós e espera de nós, e através dela nós invadimos o inferno e apresentamos o amor de DEUS para as pessoas. A Palavra de DEUS não é apenas um livro que fica na prateleira. Quando começamos a ler a Palavra de DEUS, este livro passa a ser escrito por DEUS no nosso coração, e as palavras Dele se tornam valores para nossa vida, e através destas palavras somos protegidos, e também recebemos “munição” de DEUS para fazer a obra que ELE colocou em nossas mãos para fazermos.


Fillipe S. Polak

Vocalista da Banda Tempo de Vida

quinta-feira, 15 de julho de 2010

QUAIS AS MOTIVAÇÕES DO MUNDO?




Resumo da Mensagem do Pastor Paschoal Piragine Junior (PIB)
Fonte: http://www.diaadiacomdeus.com.br/

I João 2: 15-17

João vai dizer nesta passagem, que nós devemos tomar cuidado com uma força sutil e destruidora que é o mundo.
Quais são as principais motivações trabalhadas no mundo?

1ª. A primeira motivação é descrita por João, como a “COBIÇA DA CARNE”, ou seja, incentivar os desejos ardentes da carne. Todo sistema de valores construído por satanás, tem o propósito de incentivar e aguçar estes desejos carnais. Os estudiosos da área de psicanálise dizem que existem 3 grandes motivações no ser humano, os 3P’s: POSSE, PODER e PRAZER. O mundo hoje prega um tipo de ideologia que simplismente nos diz nas entrelinhas: experimente, curta, viva, mude, faça. Esse sistema chamado mundo, é tão sutil que, por exemplo, se fala com muita facilidade, e naturalidade sobre a sexualidade em todos os lugares. A sexualidade dos dias atuais está tão aflorada, que meninos e meninas de 12, 13 anos de idade, crianças ainda, estão tendo suas primeiras experiências sexuais e achando que isto é natural e bonito. Hoje essa é uma das grandes dificuldades, e é à partir do vício em pornografia, que por sinal começa muito cedo que estas coisas vão se tornando cada vez mais comuns, pois, basta que você ligue seu computador para ter acesso a qualquer coisa sobre pornografia. Hoje a “cobiça da carne” se tornou tão natural, que hoje o relacionamento, o compromisso, o amor se tornou banalizado. O problema em tudo isso é que até mesmo as famílias que são as mantenedoras dos valores da sociedade começam a apoiar essa situação de busca pelos desejos da carne. Muitas vezes os pais preferem apoiar e abrir as portas de casa para que o filho ou filha possa dormir com o namorado ou namorada, e dão inclusive camisinha para o filho usar, alegando que, ali, dentro do seu lar é mais seguro para seu filho do que em um motel ou outro lugar qualquer. Nós estamos nos acostumando a viver em uma sociedade desregrada, longe de DEUS e sem sentido. Todo esse sistema esta levando a sociedade para um caminho errado, de perda de valores. Um exemplo disso é o crescimento de dependentes e viciados em drogas, em bebida. E por que parece tudo tão normal? Porque nós temos amado um sistema de valores que não nos impõe limites, e que nos aconselha a desfrutar de nossas paixões. E tudo isso vai construindo um ciclo de insaciabilidade que só torna nossa alma mais vazia e torna nossa vida mais fútil.

2ª A segunda motivação é descrita por João, como a “COBIÇA DOS OLHOS”, ou seja, desejar tudo aquilo que os nossos olhos possam enxergar. Mais uma vez a psicanálise nos reafirma que outra grande motivação do ser humano é POSSE, ou seja, eu desejo, eu olho e quero ter o que vejo. O mundo hoje nos valoriza pelo que possuímos ou podemos possuir. O homem é valorizado pelo que veste, come, pelo carro que tem, pelo tamanho da casa, pela conta bancária. Esse sistema gera em nós um consumismo desenfreado, o que nos obriga a trabalhar, trabalhar e trabalhar para construir algo, mas enquanto nós fazemos isso, visando apenas ter as COISAS, estamos perdendo as PESSOAS que nos amam e nos considera importantes. Não temos mais tempo para as pessoas, as coisas simples da vida, e acabamos perdendo o amor e o respeito dos filhos, da esposa, da namorada, dos pais, dos amigos. E o pior é que começamos a tratar as pessoas como coisas também, e começamos a achar que o amor dessas pessoas, o respeito, a atenção, o carinho, são coisas "compráveis". A partir de um dado momento, passará a não existir mais tempo nem mesmo para DEUS e as coisas do Reino.

3ª A terceira motivação descrita por João é a “SOBERBA DA VIDA”. É o crescente desenvolvimento de uma atitude de auto-suficiência e arrogância. No contexto da psicanálise esse sentimento é descrito como a fome de PODER, desejo de impor-se, de ser mais importante que outras pessoas, ser egoístas, o que nos leva a construir nosso próprio universo, um universo que não necessita da presença de mais ninguém e onde não importa se estou prejudicando ou entristecendo alguém. Esse individualismo egoísta nos faz sentir tanta auto-suficiência que nós não vemos necessidade de DEUS em nossa vida e em nosso universo. Acabamos nos sentindo como um pequeno deus, e assim tornamos DEUS apenas um "pequeno escravo" dos nossos desejos e vontades, e começamos a achar que DEUS é obrigado a nos ouvir e fazer aquilo que queremos, e que orar, ir à igreja é apenas um favor que estamos prestando a ELE. Amar o mundo nada mais é do que amar a si mesmo, e esquecer-se de DEUS. Todo esse sistema do mundo é apenas uma ilusão, pois, nossa vida aqui é passageira e um dia teremos que prestar contas com DEUS. O mundo nos faz perder a dimensão do valor da nossa alma, da nossa vida, e da eternidade e por isso acabamos entrando por caminhos errados.

Mas há uma esperança, JESUS veio a este mundo para nos dar a capacidade da nossa alma transcender todas essas coisas e conectar-se com DEUS, e nos dá o privilégio de andar com ELE nessa vida, e desfrutar com ELE a eternidade.

Por isso, não amem o mundo, nem o que no mundo há... o mundo e a sua cobiça passam, mas aquele que faz a vontade de DEUS permanece para sempre.

Fillipe S. Polak
Vocalista da Banda Tempo de Vida

quarta-feira, 14 de julho de 2010

O Crescimento Espiritual


A palavra de Deus nos diz que a partir do momento em que confiamos e cremos em Cristo, recebemos a vida eterna, como diz em João 5:24, mas temos de analisar algo nesse texto antes de continuar. A palavra “ouve”, não quer dizer apenas escutar, mas sim OBEDECER. A palavra “crê”, não quer dizer simplesmente acreditar que Deus existe, mas sim CONFIAR E SE ENTREGAR... Sendo assim devemos procurar um crescimento espiritual verdadeiro.

Para que este crescimento espiritual seja real devemos analisar alguns passos, e são eles:

1- Leitura da Bíblia: A bíblia não é como qualquer outro livro, por que é inspirada por Deus. A bíblia é nosso guia, a resposta para nossas perguntas, o ensinamento para o cristão, nos ensina a amar, conhecer e obedecer ao nosso Deus. Também nos instrui sobre nossa relação com as pessoas. (II Timóteo 3:16,17).

2- Oração: É um ato indispensável na vida do cristão. É através da oração que conversamos com Deus, nos aproximamos Dele, expressamos nosso amor, damos graças pelo que Ele tem feito por nós, confessamos nossos erros, nossas fragilidades, e necessidades, alem de intercedermos pelos outros. (Filipenses 4:6,7).

3- Nova identidade: A leitura da bíblia e a oração são muito importantes para o cristão, mas além disso, todos recebem uma nova identidade ao aceitar a Cristo como Salvador, refletida através de uma mudança de comportamento, de pensamentos e atitudes, mostrando dessa maneira o que Deus fez por nós. (II Corintios 5:17).

4- A Igreja: Devemos também fazer parte do corpo de Cristo, como membro, e igreja de Cristo. O nosso corpo possui muitos membros, e a falta de um só, por menor que seja, causa um grande defeito, um desequilibro. Assim somos nós na igreja para Deus. (I Corintios 12:12,13).

5- Batalhas espirituais: A partir do momento que nos aproximamos de Deus, seguindo todos Seus passos, e buscando Sua presença, uma intimidade maior com Deus, é inevitável que apareçam as batalhas espirituais, pois Satanás vai tentar de todo modo nos afastar de Deus. Porem Deus é nossa fortaleza. (I Pedro 5:8-10).

6- Mordomia (Boas obras): A bíblia diz que a fé sem obras é morta. Devemos utilizar nosso tempo, talento e também recursos materiais para a obra do Senhor, pois é nosso dever ajudar os que precisam, ajudar na igreja, na obra de Deus, sustentando o ministério de Deus na terra. Deus sempre recompensará as boas obras. (Efésios 2:8-10).



Fillipe S. Polak

Bacharelando em Administração de Empresas

Vocalista da Banda Tempo de Vida

Aprofunde-se: o aprofundamento faz concretizar os planos de Deus para você


A perseverança na vida com Deus é um dos segredos para a concretização de seus planos para nós. O Salmo 100 afirma, no versículo 5, que a fidelidade do Senhor permanece ao longo das gerações, e o mesmo se deve dar conosco em relação a ele.

Não é fácil dar continuidade às coisas que iniciamos, supostamente a razão por que muitas pessoas desistem de suas empreitadas ao primeiro sinal de dificuldade. E, na caminhada do evangelho, semelhantemente, é grande o número dos que não levam adiante o compromisso com o Senhor.

O que se dá em ambos os casos é a (falsa) crença nos resultados rápidos, no “lucro imediato”, a urgência de uma geração habituada aos restaurantes do tipo fast food e à velocidade das rajadas de tiros na última geração de video-games; e cujos resultados têm a superficialidade como carro-chefe.

Com isso, sobressaem na sociedade o egoísmo e o proveito próprio e não raramente a falta de escrúpulos. É preciso, assim, que se pense num aprofundamento das pequenas coisas, em seguir adiante com o que um dia foi iniciado (na vida pessoal e com Deus), fazendo da constância o meio de se chegar onde se deseja.

A profundidade está relacionada com a idéia de que o que fazemos hoje é o alicerce do amanhã. Se você entender essa verdade vai perceber, em pouco tempo, que está construindo uma história sólida e verdadeira, que está, de fato, concretizando o seu futuro e, mais que isso, realizando sonhos que, antes de serem seus, são do próprio Deus para você.

No amor do Pai,

Bola de Neve
Ap. Rina

terça-feira, 13 de julho de 2010

Banda Tempo de Vida em Piraquara


No ultimo sábado (10/07/2010), a Banda Tempo de Vida foi convidada para estar louvando à Deus na Igreja Evangélica Assembleia de Deus em Piraquara, juntamente com todos que ali estavam reunidos para um encontro de adolescentes. O inimigo com certeza não queria que estivessimos lá e colocou vários obstáculos, o tecladista teve um compromisso de trabalho e não pode ir, as caixas de baixo e guitarra ficaram trancadas dentro de uma sala onde não tinhamos acesso, o carro do baterista (Amaral) não queria pegar, mas Deus honrou nossos esforços e conseguimos cumprir nosso compromisso. Pudemos ali ter momentos especiais com a Igreja e com Deus, louvando ao Senhor com diversos hinos de celebração e adoração. Que Deus possa ter falado aos corações e vidas tenham sido restauradas, renovadas e avivadas naquele lugar. Gostariamos de agradeçer ao convite, recepção e carinho ali recebidos, e que Deus continue os abençoando grandemente.


Em breve iremos postar aqui fotos e vídeos desta data.



Fillipe Polak

segunda-feira, 12 de julho de 2010

Pirata ou Original?

Postado por Samuel Mizrahy

Existe dentro de nós uma busca implacável de identidade. As pessoas querem demonstrar de alguma forma seu ser interior. Nessa busca sempre encontramos referenciais nos quais nos espelhamos e até imitamos para formar nossa opinião, nossa identidade.
Dentro do ministério de Louvor encontramos essa busca. Cópias das mesmas coisas, repetições de mesmas frases, gritos, gestos, falta de criatividade e de identidade. Pensando nisso, quero falar sobre dois relatos bíblicos que ilustram bem meu ponto de vista.
Em Atos 19:11 lemos a desastrosa história dos filhos do sacerdote Ceva que andavam de um lugar para o outro expulsando espíritos maus. Em uma de suas andanças, encontraram um endemoninhado e disseram: “Pelo poder do nome de Jesus, a quem Paulo prega, ordenamos que saia”!
Podemos ver claramente aqui a falta de identidade. “Jesus, a quem Paulo prega?” Faça-me o favor!
A falta de conhecimento de quem era Jesus e, principalmente, de quem os próprios profetas eram, fez com que agissem de forma medonha, deixando ao endemoninhado uma grande oportunidade para humilhá-los. Os “profetas”, por sua vez, perderam a oportunidade de trazer libertação pra aquele homem. Tudo porque eles tentaram ser quem não eram de fato.
Agora o outro lado
I Samuel 17
Quando Davi era apenas um jovem pastor se viu na missão de salvar o povo de Israel das mãos dos Filisteus, enfrentando o tão temido Golias, que há 40 dias bradava e ameaçada todo exército de Deus. Davi, que havia sido forjado e preparado por Deus em seus dias de pastor de ovelhas, não se conformou com tal situação. Levantou-se como homem de Deus que era para derrotar Golias e seu exército. Aí está a imposição de um padrão que não fazia parte da identidade de Davi. O rei Saul, vendo que Davi realmente iria enfrentar Golias, quis emprestar sua armadura de batalha para Davi lutar. Porém, não serviu. Não adiantava. Davi até tentou usar, mas aquilo ali não era pra ele. Ele venceu aquela batalha através do NOME DO SENHOR, com suas 5 pedras, sua força, seu ministério, sua identidade.
E aí? Quais são suas 5 pedras? Em que Deus está ou vai te usar?
Davi não se impressionou com a armadura do rei. Ele já via seu futuro vencedor. Tudo isso por que sabia quem ele era em Deus. Você sabe quem você é em Deus?
Você imita alguém? Seus referenciais te inspiram ou você é somente um “papagaio de pirata”, repetindo algo que vê outros fazer?
Paulo disse: “sede meus imitadores como sou de Cristo”. O próprio Jesus disse que faríamos obras maiores que as dEle. Cristo nos inspira a ir além.
Quero lhe encorajar a ser originalmente você! Mesmo que você só tenha 5 pedras, mesmo que seu instrumento seja uma harpa, mesmo que você seja o menor ou o mais jovem. Não precisamos de armaduras, frases, técnicas, olhares, gritos de outros para vencermos ou realizarmos o que Deus tem pra cada um de nós, muito menos de copiar idéias ou chavões para vencermos como nossos referenciais vencem, se é que vencem. (ai)
Sejamos criativos, ousados e vamos deixar Deus fazer o resto por cada um de nós. Busque a Deus, descubra quem você é em Deus e use sua identidade para ser quem Deus quer que você seja.


No amor do Cordeiro

http://samuelmizrahy.blogspot.com/

TEOLOGIA ESTRANHA E VAZIA

TEOLOGIA ESTRANHA E VAZIA


Teologia Narrativa, Teologia Quântica, Ortodoxia Generosa... É extensa a lista de ensinos estranhos que tem invadido a Igreja brasileira nos últimos anos e pode transformar o crescimento evangélico em uma estatística vazia.

Leia o texto de Marcos Stefano, jornalista da revista Eclésia, em matéria intitulada: Que Avivamento é esse?


“Peça! Qualquer coisa que você quiser. Por exemplo, a sua casa própria. Mas não de qualquer jeito. Antes, pense como você a quer. Imagine-a como um sobrado no estilo casarão, pintada de branco, com janelas de madeira e um lindo jardim com rosas, margaridas e uma árvore frondosa, sob a qual é possível descansar deitado no verde gramado.” O pensamento pode não ter durado mais do que os 15 segundos que você levou para chegar até aqui. Mas certamente terá efeito duradouro. E quem garante isso não são os gurus do pensamento positivo. Na verdade, o que você acabou de ler acima é uma pregação que já pode ser ouvida nos púlpitos de muitas igrejas evangélicas brasileiras. Cada vez mais, ensinos e teorias tão diversificados quanto contrários à chamada ortodoxia – a teologia mais conservadora – mudam a cara do cristianismo brasileiro. Como a “visualização”, em que a pessoa projeta em sua mente aquilo que quer, essas doutrinas entram com extrema sutileza para satisfazer necessidades temporais. Em geral, estão intimamente ligadas a teorias contemporâneas, modernas e pós-modernas. O nome que recebem dentro das faculdades teológicas e templos, espelha bem a mistura: Teologia Narrativa, Teísmo Aberto, Teologia da Esperança, Ortodoxia Generosa, Teologia Quântica, Evangelho da Auto-ajuda. Enquanto seus defensores exaltam suas virtudes, afirmando tratar-se de uma renovação na Igreja, diversos especialistas alertam: realmente a religião, depois desses ensinos, não será mais a mesma. Mas isso, porque está se distanciando do cristianismo bíblico e rumando para a heresia.

Nessa caminhada, um dos casos mais emblemáticos é o do pensamento positivo. A fórmula simples - “pense, acredite, receba” -, apresentada no livro O Segredo pela australiana Rhonda Byrne, já conseguiu convencer multidões mundo afora de que é possível conseguir a cura de doenças, a realização de grandes paixões e adquirir jóias e fortuna como num passe de mágica. “No momento em que você deseja alguma coisa, e acredita, e sabe que já a tem no invisível, o Universo inteiro se move para deixá-la visível”, defende a própria Rhonda, que alega ter redescoberto essa “verdade” milenar junto a sábios, filósofos, cientistas e gente de sucesso. A febre causada pelo tal segredo é tamanha que mais de 2 milhões de cópias em DVD e outros 13 milhões de livros foram vendidos no mundo todo.

Rhonda transformou-se no exemplo máximo da fórmula, sendo apontada como uma das 100 pessoas mais influentes do mundo pela revista Time e amealhando uma fortuna estimada em US$ 50 milhões. Não é um caso isolado. Com roupagem científica e nome pomposo, a “lei da atração” hoje é divulgada por nomes como Esther Hicks, Michael Losier, Deepak Chopra em livros e filmes com nomes sugestivos do tipo Quem Somos Nós?.

Tolice ou não, a questão é que, diante de tamanho sucesso, muitos cristãos se perguntam como algo assim não foi registrado nas páginas da Bíblia. E a surpresa maior vem ao encontrar teólogos que garantem que esse mistério divulgado por Rhonda Byrne e companhia não é tão antigo nem secreto. Pelo contrário, sempre esteve nas Escrituras. Só que agora ganhou nome: Teologia Quântica. “A visualização encontra paralelo na Bíblia quando Jesus manda pedirmos em seu nome e crermos que já o temos recebido. A grande diferença é que os proponentes do pensamento positivo afirmam que todos podem ter tudo que quiserem – felicidade, riqueza, saúde. Mas esquecem de algo essencial: se isso é da vontade de Deus”, explica o pastor Ed Gungor, em seu livro Muito Além do Segredo.

Mas talvez a diferença não seja tão grande como pareça. O recurso à tradição cristã é algo comum na auto-ajuda. Um dos “clássicos” do gênero, O Poder do Pensamento Positivo, de 1952, foi escrito por um pastor metodista, Norman Vincent Peale. No livro, Peale faz uma relação direta entre fé e prosperidade, com direito a outras tantas máximas da Bíblia como “se Deus é por nós, quem será contra nós?”, extraída da Carta aos Romanos. Já O Segredo é mais parcimonioso na citação das Escrituras, mas confunde-se com a Teologia Quântica quando tenta dar um verniz científico a suas proposições. Ambos são inspirados em teorias contemporâneas, como os estudos da Física Quântica. Segundo os cientistas, partículas subatômicas como os elétrons podem se apresentar tanto como ondas de energia como objetos muito pequenos. Depende do observador. Já seus movimentos são imprevisíveis: ele pode aparecer em um momento num lugar e no outro estar no lado oposto. Da mesma forma é o homem, que recebe de Deus o livre-arbítrio e a capacidade de mudar os projetos divinos pela oração.

No afã de justificar suas posições, há até quem cite uma das mais famosas ilustrações da Teoria do Caos, segundo a qual uma borboleta que bate as asas no Japão pode causar, numa sucessão de eventos, um tornado no Brasil. Esse seria o efeito de uma oração feita com fé, ainda que pequena como um grão de mostarda. “Infelizmente, esse tipo de coisa é um grande erro cada vez mais enraizado nas igrejas. Os princípios são os mesmos do pensamento positivo, só muda o fornecedor que, em vez de ser o Universo, passa a ser Deus”, analisa Moisés Olímpio Ferreira, professor do Seminário Batista Nacional e do Instituto Betel de Ensino Superior (Ibes).

Para muitas igrejas que já se adaptaram a preceitos da Teologia da Prosperidade e à confissão positiva – segundo os quais o fiel deve determinar ou “profetizar” sua benção –, esse tipo de ensino cai como uma luva. “Não dá para tratar como se fosse restrito a uma corrente doutrinária. Esse pensamento religioso espelha o mundo em que vivemos e, de maneira sutil, afeta denominações tradicionais, pentecostais e neopentecostais. Deus se tornou o cumpridor de nossos desejos e o púlpito um manual de auto-ajuda para ser feliz sem sofrimento”, observa Ferreira, antes de complementar: “Hoje, a preocupação da Igreja não deve ser tanto com a santidade, mas com a sanidade daquilo que está pregando e ensinando”.

Novas e velhas heresias – Em mais de 20 séculos de história, a doutrina cristã sempre conviveu com as heresias, aqueles ensinos contrários a outros cujas origens remontariam ao próprio Jesus e seus apóstolos. Nos dois primeiros séculos, os gnósticos também tomavam a filosofia emprestada para ensinar que a matéria é má e negar a encarnação de Cristo, provocando muitas divisões entre os crentes. O sabelianismo surgido no século 3 é outra doutrina que causou confusão durante muito tempo ao afirmar que o Pai, o Filho e o Espírito Santo eram apenas aspectos distintos de uma única pessoa. No século 4, foi a vez do arianismo dizer que Jesus era apenas uma criatura um pouco superior feita por Deus. Mais um tempo depois e o pelagianismo começou a propagar a tese de que o homem nasce neutro, sem justiça ou pecado, e que são seus esforços que determinarão para onde irá. A graça de Deus facilita a difícil tarefa da salvação.

Nunca, no entanto, houve tamanha profusão de ensinos heterodoxos de uma só vez, como na atualidade. Detalhe: a maioria divulgada de forma sutil, diluída em sensações e experiências. Velhas idéias como as gnósticas ressuscitaram devido à descoberta de textos antigos como O Evangelho de Judas e a romances pseudo-históricos como O Código Da Vinci. Somaram-se a outras como a do Teísmo Aberto, que ganhou nova roupagem. Apesar de ser um fenômeno com mais de três décadas, no Brasil alguns desses ensinos se tornaram mais populares depois do tsunami que devastou a Indonésia no final de 2004.

Na ocasião, blogs de autores cristãos na Internet passaram a fomentar o debate: como um Deus amoroso permite a morte violenta de tanta gente? Para explicar a diferença entre esse atributo e o mundo real, a resposta encontrada foi que não é que Deus não queira salvar as pessoas, mas não pode. Apesar de ser todo-poderoso, ele criou o ser humano com liberdade. Para preservar isso, voluntariamente limita seu conhecimento do futuro, o que o impede de saber se alguns eventos vão acontecer.

Em parte, ensinos desse tipo são uma reação ao determinismo e ao controle enfatizados ao extremo pelas grandes denominações protestantes. Surgido no final da década passada, o movimento conhecido como Igreja Emergente é talvez um dos mais representativos desse novo momento do cristianismo. Insatisfeitos com sua vida espiritual e cansados do controle, estrutura e tradição das denominações tradicionais, grupos passaram a se reunir em casas, restaurantes e cafés nos Estados Unidos buscando nessas comunidades novas formas de espiritualidade. Uma de suas principais peculiaridades é buscar a união em torno de ações e características apreciadas por todos nas diversas correntes, como pode ser visto em obras como Uma Ortodoxia Generosa, do pastor Brian McLaren.

“O que houve foi uma reação à direita cristã conservadora nos Estados Unidos. Porém, uma reação que vai contra a própria fé e não contra os abusos e erros cometidos. Como o Brasil tem tradição em assimilar rapidamente o que vem de fora, uma cultura da imitação, diversas lideranças têm incorporado às suas convicções o ideário da esquerda cristã dos EUA e de Europa”, explica o pastor e professor Paulo Romeiro, do Departamento de Pós-Graduação em Ciências da Religião da Universidade Mackenzie, em São Paulo. São essas idéias que trazem a nova onda de liberalismo teológico. “Nem tudo é devido ao neopentecostalismo. O triunfalismo neopentecostal não consegue viver sem um Deus onipresente. Apresenta falhas de interpretação, mas não duvida da Bíblia”, completa ele.

Na Igreja brasileira, porém, não são apenas as novas teologias que ganham espaço. Os modismos, quase sempre carregados de ensinos estranhos, aparecem em profusão. Engana-se quem pensa em batalha espiritual ou no movimento G12 com suas variações da cura interior e a suspeitíssima regressão psicológica, como as últimas novidades teológicas por aqui. “A indústria do entretenimento é muito forte na Igreja. Algo bem típico é a invasão dos festejos juninos nesses últimos anos. Diversas igrejas já fazem o seu arraial de Jesus. A sociedade não comemora datas bíblicas, mas a Igreja comemora as datas da sociedade, inclusive as religiosas”, observa Romeiro.

A área musical é outra que enfrenta dificuldades com modismos. Se um bem ensaiado grupo de coreografia durante os momentos de adoração pode elevar a espiritualidade do público, sua repetição durante todo o culto causa distração e afasta a pessoa da mensagem. A invasão dos corinhos, que na maior parte das igrejas pentecostais e neopentecostais substituíram os hinos por canções com longas e pasteurizadas repetições, também é muito criticada. Sem falar no messianismo de algumas lideranças evangélicas, quase adoradas pelos fiéis, e na sempre problemática questão financeira. “Se houvesse algum modo de tirar o dinheiro da história, acredito que muitas igrejas simplesmente deixariam de existir”, diz Paulo Romeiro, acrescentando que falar sobre sofrimento, renúncia e mundanismo passou a incomodar os protestantes. “Sabemos reunir muita gente em eventos, mas não conseguimos reunir mais as pessoas ao redor da cruz. Costumo dizer que o problema do Brasil não é se curvar a Baal, mas a Mamon, o deus que simboliza as riquezas”.

Crescimento qualitativo ou quantitativo? – Nunca houve um crescimento tão expressivo dos evangélicos no Brasil como o que se observa no presente. De acordo com o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), há pouco mais de 20 anos, quase 90% da população do país se dizia católica. Os protestantes eram inexpressivos. Na virada do século, o número de crentes já havia crescido consideravelmente e representava 16% dos brasileiros. Atualmente, segundo pesquisa do Instituto Datafolha, os evangélicos já chegam a 22% ou 40 milhões de pessoas. Desses, a grande maioria são pentecostais, com uma prática religiosa focada nos problemas do dia-a-dia e um forte proselitismo.

O número de evangélicos é ainda mais expressivo se consideradas apenas as periferias das grandes cidades, locais onde há mais pobreza e segregação racial. Nesses bolsões, 29% dos habitantes se declaram evangélicos, contra 55% que afirmam ser católicos. Se confirmados outros dados, dessa vez da fundação norte-americana Pew Forum, de que 45% dos pentecostais brasileiros se converteram a partir do catolicismo, a previsão é de que em menos de vinte anos, a maior parte do povo brasileiro seja evangélico. Por conta desses números, muita gente não duvida em afirmar que o Brasil passa por um grande avivamento.

Será? “Estão distorcendo e banalizando o significado de avivamento. Na história, os avivamentos sempre trouxeram mudanças para a sociedade, como diminuição da violência e da corrupção. Não vemos isso no Brasil. Aqui, a influência evangélica na sociedade ainda é muito pequena. Temos um crescimento numérico, mas hoje vejo que o mundo tem influenciado mais algumas igrejas do que elas, o mundo”, aponta o pastor e jornalista assembleiano Silas Daniel, autor do livro A Sedução das Novas Teologias (Cpad), no qual critica os novos ensinos que estão entrando nas igrejas.

Mesmo que ainda não tenham chegado ao conhecimento do grande público, casos de igrejas e lideranças que adotam os modismos e novas teologias começam a preocupar os especialistas ouvidos por ECLÉSIA. “Há muitas aberrações doutrinárias e comportamentais que estão ocorrendo no meio evangélico. A qualidade da vida espiritual do brasileiro, em geral, não é boa. E onde está o problema? Basicamente na falta de ensino mais consistente da Palavra. Lideranças mal preparadas levam a rebanhos sem direção correta. Somos fortes para evangelizar, mas fracos para formar discípulos”, acredita Daniel.

Há pouco tempo, quando se falava em heresia, era quase automático se pensar em denominações que não seguiam a ortodoxia evangélica. Mórmons e Testemunhas de Jeová eram taxados como “seitas”. Doutrinas como a mariolatria – adoração a Maria -, a reencarnação e datas marcadas para a volta de Cristo eram automaticamente combatidas como grandes desvios. Os tempos mudaram. Com uma Igreja fraca em termos doutrinários e poderosa em marketing, está cada vez mais complicado dizer de onde vem o erro. “Existem desvios em toda parte, mesmo em denominações mais tradicionais há segmentos inteiros contaminados. Arrisco dizer que quase todas as igrejas estão infiltradas com doutrinas estranhas”, adverte Paulo Romeiro.

Relativismo, pluralismo e hedonismo são formas de pensar da sociedade atual. Mas se o mundo realmente entrou na Igreja ao combater as verdades absolutas, impor o ecumenismo às custas da fé e incentivar a satisfação das necessidades pessoais, como a busca de enriquecimento sem sofrimentos, o que acontecerá com o cristianismo brasileiro? É difícil dizer, mas dificilmente acabará como acreditam os ateus. Porém, aquele levantado para salgar a Terra e iluminar o mundo também não será mais um grande movimento de massa. E, tomara, não se torne como em muitos países do mundo, que se dizem evangélicos, mas que precisam mesmo ser novamente evangelizados.

A Ponte

Um lindo curta - metragem muito conhecido e impactante. História de um homem que teve que escolher entre a vida do filho e a de centenas de pessoas dentro de um trem... O filme representa o amor incoparável de Deus por nós... Cenas do filme “most” (ponte em Tchecko).

video